Mensagem de boas vindas

Bem Vindo ao blog Campo da Forca. Apontamentos pessoais abertos a quem os quiser folhear.

09/12/16

História da Química: 1- A EVOLUÇÃO DA QUÍMICA ATÉ AO INÍCIO DA CIÊNCIA QUÍMICA


Objectivo da Química
A química tem como finalidade o estudo das propriedades e da composição das diferentes substâncias. É portanto a ciência que se ocupa das transformações da matéria. Tem a considerar dentro do seu campo produtos naturais e artificiais, mas são as substâncias puras (e não as misturas) o que interessa obter e estudar.
A partir dos produtos naturais (misturas), obtém-se substâncias puras (ou espécies químicas definidas) por análise imediata (conjunto de processos físicos de separação - trituração, acção da gravidade, centrifugação, dissolução, cristalização, destilação, etc. - e ainda por certos processos químicos. Quando se chega a uma substância que resiste a todas as tentativas de fraccionamento aplicadas a misturas, temos a substância pura. Pode-se então proceder à observação e estudo do seu comportamento químico e das suas propriedades físicas (aspecto, cor, cheiro, sabor, densidade, pontos de fusão e de ebulição, calor específico, índice de refracção, etc.).
Conseguida a substância pura, a Química recorre então novos processos de análise, a fim de determinar a sua composição elementar. As substâncias puras designam-se substâncias compostas (ou combinações químicas) se forem constituídas por mais de um elemento ou substâncias elementares se não se puderem decompor mais.
O número de elementos hoje conhecidos ultrapassa a centena e o número de substâncias compostas é de milhões, muitas obtidas em laboratório por síntese.

Conceito primitivo de elemento (Antiguidade)
Os filósofos gregos, que debateram largamente o problema da estrutura íntima da matéria, haviam formado os seus conceitos próprios, alguns dos quais perduraram até os tempos modernos. Começaram por admitir a unidade da matéria, considerando um princípio fundamental que, para Thales de Mileto (640-546 a.C.) e, em geral, para os filósofos da Escola Jónica, era a água. Outros admitiam ser o ar ou o fogo.
Foi Anaxímenes de Mileto também (570-499a.C.) quem, admitindo que o elemento primordial tem a possibilidade de se metamorfosear em outros três, estabeleceu a transição para a teoria dos quatro elementos fundamentais que perduraria até ao século XVI.
Coube, porém, a Empédocles de Agrigento (490-430 a.C.) dar corpo à teoria dos quatro elementos fundamentais (o ar, a água, a terra e o fogo - este o princípio activo por excelência, por criar luz e calor) depois de ter provado cientificamente, com experiências notáveis para a época, a existência do ar.
Seria a mistura dos quatro «elementos», em proporções variáveis, que daria origem a todas as substâncias conhecidas.
Segundo Aristóteles de Estagira (384-322 a.C.), os elementos são, na realidade, as propriedades fundamentais pelas quais diferençamos as coisas. Essas propriedades - quente, frio, húmido, seco - combinadas duas a duas, com excepção das opostas, dariam exactamente os quatro elementos de Empédocles.
Evidentemente que os quatro elementos aristotélicos pouco têm a ver com aquilo a que, concretamente, damos os mesmos nomes. São antes abstracções com que se pretendeu definir situações concretas cuja explicação profunda escapava à observação.

A Alquimía na Idade Média
Na idade média, como consequência da evolução da técnica, surgiu a Ciência Hermética. Criaram-se e desenvolveram-se as artes da cerâmica, do vidro, da tinta e da metalurgia. Os seus praticantes consideraram sujeito ao influxo dos astros e faziam acompanhar de fórmulas mágicas.
Mais tarde estimulou-se a ideia de fabricação de ouro, partindo de metais vis. Os alquimistas propunham-se realizar a «Grande Obra». Um dos processos seria por intermédio da «pedra filosofal» que, convertida em «pó de projecção» e incorporada no metal em proporções ínfimas, bastaria para obter ouro puro.
A Alquimia não foi, como poderia pressupor-se uma fase primária da Química. Os alquimistas longe de empregarem reagentes puros, usavam, na sua ignorância da constituição da matéria, ingredientes formados por misturas complexas. Tão pouco tinham regras permanentes de nomenclatura ou atribuíam significado concreto aos vocábulos que empregavam como os termos «enxofre» e «mercúrio». Também não registavam as modificações que os reagentes experimentavam nem procuravam interpretar as reacções químicas. Limitavam-se a esperar, a colher o resultado final. Atribuíam os malogros, em geral, às mesmas causas: aquecimento insuficiente, por falta de calor ou de tempo. Ignoravam ou davam pouca atenção aos gases nas reacções - atendendo à importância do estudo dos gases no rápido desenvolvimento da Química no século XIX, compreende-se como a atitude dos alquimistas perante eles, terá impedido a passagem do seu empirismo à Ciência Química.

Na Idade Moderna
Mas também é verdade que a Alquimia deixou muito, como legado à Química. A descoberta de muitos elementos (como, por exemplo, o fósforo, pelo alemão Brand (1625-1692), quando procurava a pedra filosofal), numerosíssimos compostos, importantes técnicas (dissolução, filtração, destilação, calcinação) e aparelhagem especializada (fornos, alambiques, retortas, balões, funis, etc.).
No século XVII, o grande cientista Robert Boyle (1627-1691), que pode ser considerado o fundador da escola britânica da Química, dá pela primeira uma noção de elemento que se aproxima das ideias actuais e descobre a lei fundamental dos gases.
- Teoria do flogisto
O «flogisto» foi um vocábulo introduzido por Becher (1635-1682), que admitiu a existência dum princípio peculiar às substâncias combustíveis, as quais o expulsam no acto da combustão.
Stahl (1660-1734) fez do «flogisto» um princípio geral, tanto mais abundante na matéria a que se associa quanto mais combustível ela fosse.
A combustão de qualquer metal, dúctil, maleável, brilhante, reduzia-o à respectiva cal, terrosa, baça e sem vida. O metal perdia flogisto.
Se fosse possível insuflar flogisto na cal, por exemplo aquecendo esta com carvão, substância especialmente rica em flogisto, obter-se-ia de novo o metal. Mas como a cal era mais pesada que o metal, não havia modo de explicar como ganhando flogisto se perdia peso.
No entanto a teoria do flogisto teve adeptos fiéis até muito tarde, porque permitia explicar as combustões e estabelecia a relação de reciprocidade entre oxidações e reduções.
Em 1772 o oxigénio foi descoberto por Scheele (1742-1786), chamando-lhe «ar do fogo». O flogisto seria em seu entender um elemento e sendo o calor um composto de flogisto e ar de fogo.
Priesley (1733-1804) também descobriu o oxigénio, a partir da «cal mercurial» (óxido veremlho de mercúrio, que se decompõe com facilidade por acção do calor) chamando-lhe «ar desflogisticado», chamando «ar flogisticado» ao azoto, que era incapaz de alimentar combustões. Segundo ele o ar que nos rodeia , suportando todas as combustões, está parcialmente saturado de flogisto que nelas se desprende. Se o «ar» (ainda era comum, no século XVIII, o emprego do termo »ar» para designar os gases, muito embora o vocábulo «gás» já tivesse sido criado pelo notável alquimista flamengo Johan Helmond (1577-1644) que se liberta da decomposição da cal mercurial permite combustões tão vivas, é porque está isento de flogisto.
Na história da química ficou memorável um encontro em que Priesley comunicou a Lavoisier (1743-1794) o que apurou em relação ao novo gás e daqui partiu o grande químico para arquitectar a teoria da combustão.
Lavoisier, cujo espírito era adverso à teoria do flogisto e se encontrava na atitude de partir do nada para seguir o caminho da experimentação sistemática, apoiada pela medida, retomou a experiência de Priesley com a cal mercurial e conseguiu finalmente explicar os fenómenos da combustão e da oxidação, e com isso, dar a primeira interpretação rigorosamente científica de fenómenos químicos.
O uso sistemático da balança deu aos trabalhos de Lavoisier a segurança e o rigor que os seus predecessores nunca conheceram porque estavam fechados em cojecturas e antigos preconceitos herdados da Alquimia.
Lavoisier é considerado assim, o fundador da Ciência Química.

Grandes Químicos: ROBERT BOYLE


Robert Boyle (1627-1691)

Foi indiscutivelmente a maior figura da Química anteriormente a Lavoisier.
Sétimo filho do Conde de Cork, nasceu na Irlanda. Estudou em Eton e em Genebra, viajou na Itália e na França e adquiriu vasta cultura filosófica e teológica. Foi um dos fundadores da célebre Sociedade Real, de que foi também presidente.
Grande cientista, pode considerar-se o fundador da escola britânica da Química. Foi também um grande físico, tendo vivido numa época em que o método científico se havia já imposto.
A sua obra fundamental, no domínio da química é o «Sceptycal Chymist», em que o químico céptico, com argumentos de valor, baseando-se na experimentação, refuta, em diálogo socrático, os argumentos dos aristotélicos partidários dos quatro elementos, e dos espagiristas, partidários dos três princípios.
Pela primeira vez Boyle dá uma noção de elemento, a qual, na sua essência, se aproxima das ideias que dominaram a Química do século XIX.
Descobriu dezassete anos de Mariotte, a lei fundamental dos gases perfeitos (que tem o nome de ambos): pV=k (para t constante).

08/12/16

ALQUÍMIA - A CIÊNCIA HERMÉTICA


A Ciência Hermética - Os alquimistas

"Deve-se a Zósimo, de Panópolis, no Alto Egipto (século III), autor de vasta obra sobre a matéria, a criação do vocábulo «khemeia», para designar a "arte da terra negra", isto é, do Egipto, ou Khem.
Convertido pelos árabes em Alquimia, assim passou ao Ocidente, com uma longa experiência, assinalada pelo florescimento de alguns dos mais notáveis praticantes da Ciência Hermética - pois deste modo se designou também a Alquimia. Hermética porque se lhe deu como fundador Hermes Trimegistos (o três vezes grande), identificado com Thot, divindade egípcia a que se atribui a invenção das Ciências e com o Mercúrio dos Romanos.
A Ciência Hermética deve ter surgido como consequência do desenvolvimento da técnica, sempre associada à evolução das civilizações. Criaram-se e aperfeiçoaram-se as artes da cerâmica, da vidraria, tinturaria e metalurgia, que os seus praticantes consideravam sujeitas ao influxo dos astros e faziam acompanhar de fórmulas mágicas.
Mais tarde, quando a organização de grandes empresas militares ou a realização de obras excepcionalmente dispendiosas começou a exigir vastos recursos materiais, a ideia da fabricação do ouro, valor material por excelência, concretizou-se, estimulada por muitos potentados, e veio até aos tempos modernos.
Partindo de metais «vis» ou de escasso valor, os alquimistas propunham-se realizar a «Grande Obra» ou «Grande Magistério», transformando-os em ouro. Um dos processos seria por intermédio da «pedra filosofal», que, convertida em «pó de projecção» e incorporada no metal em quantidade ínfima bastaria para colher ouro puro.
Nem tudo é desarrazoado na obra dos Alquimistas. Acreditavam , e com razão, no fogo - isto é, nas elevadas temperaturas - como poderoso agente provocador de transformações; operavam por via seca, a temperaturas muito elevadas, para o que tiveram de criar técnica e material, de que podem destacar-se os elaborados tipod de fornos - atanores - de que muito dependeria o êxito da experiência. Mas como ignoravam a existência da força elástica dos gases e trabalhavam em vasos fechados, sofreram muitas vezes as consequências de destruidoras explosões.

Um deles, Roger Bacon, avantajando-se muito ao empirismo do seu tempo, tem já observações que antecipam o método científico dos tempos modernos, tal como o vieram a conceber mais tarde Leonardo, Galileu e Newton."

Grandes Químicos: ROGER BACON


ROGER BACON
(1214-1292)

Frade Franciscano, nascido em Oxónia (Oxford). Foi alquimista, físico, médico, matemático e astrónomo, e pioneiro no recurso à experimentação na investigação científica. O seu vasto saber mereceu-lhe o cognome «Doctor mirabilis». Nos seus numerosos escritos descreve, entre outras coisas, a fabricação da pólvora - aliás conhecida dos chineses muito antes da era cristã.

Grandes Químicos: PARACELSO



PARACELSO
(1493-1541)
Fundador da Iatroquímica (do gr. «iatros», médico), quimiatria ou quimioterapia.

Nasceu perto de Zurich (Suiça). Seguiu estudos de medicina em Ferrara (Itália). Muito novo percorreu a Alemanha, França, Itália, Inglaterra e Escandinávia e talvez também Espanha e Portugal. Dos contactos havidos veio-lhe o gosto pela Alquimia, que praticou.
Não hesitou em condenar mestres antigos como Galeno e Hipócrates, e ensinou na língua materna e não em latim, como era uso.
Foi o tipo acabado do "alquimista errante", levando vida aventurosa mas difícil.
Abandonou a teoria aristotélica dos quatro elementos  e fundou a teoria dos três princípios fundamentais, segundo a qual toda a matéria seria composta de enxofre (princípio da combustibilidade), mercúrio (princípio da vitalidade) e sal (princípio da fixidez). Não os nossos familiares enxofre, mercúrio e sal , mas os dos filósofos... Os adeptos desta teoria dominaram-se "espagiristas", vocábulo posivelmente criado pelo próprio Paracelso.
Paracelso ficou ligado à História da Ciência não pela sua teoria mas por, como médico, ter feito sistematicamente a terapêutica por via química, utilizando compostos minerais preparados no laboratório.

História de Roma 22 - OS GRACOS E OS CAVALEIROS


República em Crise:  Os Gracos e os cavaleiros
Roma e a Itália e toda a bacia mediterrânica padeciam de enormes tensões sociais no século II a.C. devido ao aumento do fosso entre as grandes famílias e a maioria dos cidadãos ainda mais empobrecidos pela superabundância de mão-de-obra escrava, que atingiu cifras próximas de 50% da população total, muitos vivendo na clandestinidade e provocando revoltas que, por vezes, fizeram abanar a estrutura social.
Dois jovens tribunos da plebe, irmãos, Tibério e Gaio Graco, implementaram então reformas espectaculares para remediar os problemas. Tibério ascendeu ao tribunado em 134 a.C. e iniciou uma reforma agrária que visava distribuir parcelas individuais de terra dos latifundia (imensas propriedades fundiárias de que o Estado se apossara após a segunda guerra púnica e que eram exploradas por algumas famílias ricas de patrícios mediante um pagamento meramente simbólico).
Tibério tinha o projecto de acabar com a pobreza urbana e aumentar o número de homens livres com bens suficientes para poderem servir no exército. A fim de contornar eventuais resistências Tibério decidiu submeter a proposta directamente ao voto dos comícios sem a apresentar previamente ao Senado, o que não sendo ilegal era contrário aos costumes de Roma. Então quando o outro tribuno, Octávio, vetou a lei, Tibério convenceu a assembleia a uma decisão sem precedentes: a exoneração de Octávio. Foi desta forma que a lei agrária foi aprovada e nomeada uma comissão para a pôr em prática, de que se destacavam Tibério e o seu jovem irmão Gaio. Tibério com estas atitudes tinha feito demasiados inimigos, começando a suspeitar-se que os seus métodos autoritários visassem o poder absoluto. Assim, em 133 a.C., logo que a assembleia iniciou uma reunião eleitoral no Capitólio, uma violenta discussão explodiu, degenerando rapidamente em rixa. Os senadores amotinaram-se em massa e os seus clientes acorreram em seu socorro, matando Tibério e 300 dos seus partidários à bastonada.
Foi a primeira vez em quatro séculos que houve derramamento de sangue em Roma num conflito civil. Tibério tinha posto em marcha o que certamente não queria: a desagregação da oligarquia romana.
Muitos senadores, entre os quais Cipião Emiliano, regozijaram-se com o fim de Tibério e tentaram paralisar a actividade dos funcionários encarregados de aplicar as leis agrárias, mas em vão. A lei foi aplicada e contribuiu para retardar a ruína dos pequenos camponeses.
Em 133 a.C. Gaio Graco foi eleito tribuno. Orador consagrado, a sua eloquência e diplomacia valeram-lhe apoios de todos os quadrantes. Fez-se eleger sem qualquer obstáculo para um segundo mandato. Reforçou as leis agrárias de seu irmão e completou-as com medidas que previam a criação de colónias romanas à volta de grandes centros como Cartago e Tarento. Reformou os tribunais, ao criar uma lei em que os jurados deveriam passar a ser da classe equestre. Era a subida ao poder duma classe com prestígio social, muitos tinham enriquecido como cobradores de impostos (publicanos) e depois constituído grandes fortunas em negócios de contratos de percepção relativos a trabalhos públicos e aprovisionamento do exército. Os «cavaleiros da finança» eram um grupo muito activo. De tempos a tempos, quando se mostravam demasiado ávidos e deixavam somente uma pequena parte aos senadores, eclodiam conflitos. Com as leis de Gaio Graco acabou a homogeneidade dos quadros que governavam o Estado.
Até à época de Gaio Graco, as tentativas de enriquecimento pessoal dos publicanos mantiveram-se dentro de limites  razoáveis, mas quando Gaio propôs um novo tribunal composto exclusivamente por cavaleiros a situação alterou-se completamente. Esta proposta pode ser considerada o ponto de partida daquilo que virá a ser a ordem equestre enquanto grupo social distinto.
A Gaio deparou-se em seguida o problema escaldante do estatuto dos aliados de Roma na esfera latina e no resto da Itália. Os aliados tinham desempenhado um papel determinante durante a Segunda Guerra Púnica e era o momento indicado para lhe conceder a plena cidadania romana. Contudo o Senado não estava disposto a conceder direito de voto a homens de quem nunca teria o voto e assim o estatuto de aliado manteve-se inalterado. Para compensar os aliados italianos foi-lhes oferecida uma parte das pequenas propriedades criadas a partir do parcelamento das terras do Estado, mas o Senado não autorizou os comissários a aplicar esta medida. Gaio decidiu que este ponto não era negociável e propôs em 122 a.C um novo projecto de lei visando conceder a cidadania romana a todos os latinos e nas outras cidades italianas aos administradores romanos, oferecendo em lugar do direito, todas as vantagens privadas da cidadania. Mas esta medida ambiciosa, digna de um homem de estado, foi ultrapassada por uma proposta astuciosa de um candidato conservador ao lugar de tribuno, que fez votar uma lei que ia mais longe. Gaio viu-se atado de pés e mãos e quando ia supervisionar a sua nova colónia de Cartago, rumores maléficos de que o lugar trazia mau agouro, enfraqueceram ainda mais a sua posição. Em 121 a.C. quando se apresentou pela terceira vez ao lugar de tribuno, não foi eleito. O seu fim estava próximo. Na sequência duma rixa entre apoiantes e opositores do projecto de colonização de Cartágo, um doméstico do senador Oprímio foi morto. Este aproveitou-se desse facto para convencer o Senado a declarar o estado de sítio e o próprio Oprímio assumiu a liderança dum grupo de senadores e cavaleiros que atacaram Gaio e o mataram. Improvisaram-se rapidamente simulacros de processos e 3000 partidários de Gaio Graco foram executados. O decreto que autorizou este acto foi, mais tarde, baptizado de «senatus consultum ultimum». Este expediente foi utilizado diversas vezes no decurso dos agitados decénios seguintes.

04/12/16

História de Roma 21: A SOCIEDADE ROMANA NO APOGEU DA REPÚBLICA





21 - A Sociedade
Em matéria de política externa Roma adoptou uma atitude cada vez mais dura e autoritária. No princípio do século II a.C. a autoridade do Senado sobre a política era total, não obstante as intervenções periódicas das assembleias. O governo era praticamente assunto de um círculo fechado de cerca de 2.000 homens, pertencentes a menos de vinte famílias. Eleições de «homens novos», (i.e. pertencentes a famílias sem antepassado «cônsul»), eram extremamente raros.
Guiado por estes homens e na ausência dum contra-poder eficaz, o Senado conservou uma supremacia que roçava a impunidade, tornando-se um órgão cada vez mais conservador.
 No plano interno, os nobres e o Senado mostravam-se cada vez mais intolerantes face aquilo que consideravam tentativas que visavam minar a sua supremacia. Entre aqueles que foram alvo da sua cólera, podemos citar o poeta Névio (270-201 a.C.), autor de obras patrióticas, entre as quais algumas tragédias e uma epopeia que é uma obra de vanguarda que tem como tema a 1ª Guerra Púnica, na qual o autor havia participado. Cerca de 204 a.C., Névio cometeu uma falta que lhe valeu a prisão e, depois, o exílio. A razão da severidade da sua pena remontava, provavelmente, a uma ofensa com cerca de trinta anos: tinha ousado criticar uma das mais poderosas famílias nobres plebeias.

A arte
Nas artes, Plauto (254-184 a.C.) é o grande mestre no domínio das peças cómicas. Com ele a comédia latina em verso atinge o apogeu. Inspirou-se nas refinadas comédias gregas do século IV a.C., mas, em vez da subtileza destas, deu largas ao seu génio na farsa bufa, de ritmo rápido. Utilizou o grotesco para a crítica social indirecta mas reveladora, tendo o cuidado de apresentar as suas personagens não como romanos, mas como gregos ou bárbaros. Outro grande poeta, Quinto Énio (239-169 a.C.), nasceu na Calábria onde recebeu as influências culturais que lá convergiam, gregas, latinas e italianas. Recebeu a cidadania romana como recompensa da participação na 2ª Guerra Púnica e foi trazido para Roma por Catão, em 204 a.C. Foi o primeiro profissional de letras em Roma e foi considerado o pai da poesia latina. A sua obra «Anais» - um poema épico no qual utilizou, como meio de expressão, uma adaptação do verso heróico grego - constitui uma crónica de toda a história romana, das origens até à sua época.
Catão, "o antigo" (234-149 a.C.) era um «homem novo». Raros textos da sua autoria chegaram até nós mas, apesar disso, o seu prestígio, como erudito, foi enorme. A sua obra maior, uma história de Roma em sete volumes, intitulada «Origens» ou «Histórias», redigida em latim, que não nos chegou, constitui a primeira obra de referência neste campo e o protótipo da prosa latina na qualidade de instrumento literário. Foi um excelente orador. Embora não contasse com qualquer cônsul entre os antepassados, tornou-se um dos políticos mais famosos na sua época e durante muitos anos uma personagem de primeira importância. Foi um inimigo figadal dos Cipiões. Apoiado na tradição e, protegido pelos numerosos proprietários fundiários conservadores, mostrou-se profundamente hostil ao culto da personalidade, nomeadamente a prestado a Cipião. Conseguiu expulsar os Cipiões da vida pública, obrigando-os à reforma em 184 a.C. e nesse ano foi eleito censor, o que era excepcional para um «homem novo». Esse cargo permitiu-lhe intensificar os ataques contra o helenismo, mas também a adoptar muitas medidas tendentes a renovar a economia e a moral da sua pátria. Foi hostil às tendências da sua época que visavam a emancipação das mulheres. Era do campo, chicaneiro e vingativo, de olhar penetrante, foi um modelo de puritanismo reaccionário, mas todos os seus esforços foram em vão pois o seu programa mostrou-se, a longo prazo, impraticável.
Com o tempo, os Romanos voltaram-se cada vez mais para Cipião Emiliano, bom orador, um dos mais novos generais romanos que participou na campanha da Macedónia, neto adoptivo de Cipião, o Africano, cultivando o gosto da época pelo individualismo tão criticado por Catão, veio a substituí-lo e, durante mais de 20 anos, foi um dos homens de Estado mais marcantes de Roma. Revelou-se um organizador enérgico e caracterizava-o uma reputação, totalmente merecida, de integridade. Com grande atracção intelectual pelo helenismo, interessou-se pela filosofia e literatura gregas e muitos do que lhe eram próximos, como Terêncio (185-159 a.C.), dramaturgo latino cuja obra extraordinária exerceu uma influência duradoura sobre o teatro europeu. vieram a ser responsáveis pelo progresso que a cultura helénica conheceu em Roma.

A riqueza e os novos monumentos
Durante todos estes anos, um afluxo crescente de moeda e lingotes de proveniência ultramarina foi-se acumulando no tesouro romano.
Roma era já, pelo tamanho, a primeira cidade do Ocidente e o afluxo de riquezas permitiu a construção de monumentos sumptuosos. A influência grega evidenciava-se no novo gosto pelos pórticos e pelas basílicas. No século I a.C. estas vastas salas públicas foram reconstruídas com abóbadas em arco - uma conquista arquitectónica romana (que implicava uma outra inovação tipicamente romana, o arco monumental, que surgiu em Roma a partir de 196 a.C.). Estes monumentos anunciavam já os sumptuosos arcos do triunfo imperiais que ainda hoje se podem admirar em muitas cidades. Os progressos atingidos na construção de arcos, arcadas, absides semicirculares, nichos e abóbadas foram possíveis devido à descoberta de uma matéria revolucionária: a argamassa. Em 144 a.C. um pretor mandou construir, para fornecer água à cidade, o primeiro aqueduto de Roma, o Acqua Marcia, com 58 Km de comprimento. Esta iniciativa deu origem a um vasto processo de construções de aquedutos, no final do qual Roma passou a usufruir de uma abundância de água corrente única no mundo. Ao mesmo tempo os romanos construíram estradas por toda a Itália. Em Roma as ruas permaneceram estreitas, mas foram pavimentadas com ladrilhos de lava endurecida do monte Albino. A população da capital aumentou e a maior parte dos habitantes residia em edifícios frágeis, construídos com madeira e materiais baratos, sem aquecimento nem água corrente, regularmente devastados por incêndios e inundações mas, pelo contrário, as habitações dos ricos começaram a ser construídas com pedra de cantaria. As casas tinham uma fachada cega que dava para a rua, distribuindo-se os quartos em redor de um átrio que desempenhava as funções de corredor interior e de sala de recepção; no átrio ficava o altar e as estátuas da família; os quartos de dormir e o alojamento do pessoal doméstico situavam-se na zona mais afastada e muitas destas casas tinham uma sala de jantar de Inverno e outra de Verão.

Os escravos
Os escravos constituíam uma enorme reserva de mão de obra.
Na sequência das campanhas vitoriosas dos séculos III e II a.C., Roma foi inundada de escravos. Esta mercadoria era vendida nos grandes mercados da Cápua e de Delos. Nestes espaços chegavam a negociar-se 20.000 escravos por dia.
Os escravos não tinham quaisquer direitos mas os domésticos eram tratados com relativa benevolência. Foi em grande parte devido a eles que a cultura grega penetrou em Roma pois forneciam à cidade professores, médicos e pessoal administrativo. No campo, a sorte dos escravos foi sempre menos sorridente. Segundo Catão deviam ser tratados da mesma forma que os animais domésticos e quando já não tinham idade para ganhar o pão, Catão achava que se podiam deixar morrer, contudo, ainda segundo ele, uma boa gestão obrigava a que os animais e os escravos fossem tratados com cuidado, de maneira a que trabalhassem o maior tempo possível. Era frequente que estes escravos, chamados rústicos, usassem grilhetas permanentemente  Nas grandes explorações agrícolas, alguns proprietários de escravos muito severos e pouco cuidadosos, submetiam a sua mão-de-obra a tratamentos terríveis. Os escravos que trabalhavam nas minas viviam uma existência ainda pior. Muitos desertavam para viverem na clandestinidade e esta foi uma das razões porque, em alguns períodos do século II a.C., a estrutura social romana estremeceu e esteve à beira da desintegração.



03/12/16

Grandes Químicos: ROGER BACON


ROGER BACON
(1214-1292)
Frade Franciscano, nascido em Oxónia (Oxford). Foi alquimista, físico, médico, matemático e astrónomo, e pioneiro no recurso à experimentação na investigação científica. O seu vasto saber mereceu-lhe o cognome «Doctor mirabilis». Nos seus numerosos escritos descreve, entre outras coisas, a fabricação da pólvora - aliás conhecida dos chineses muito antes da era cristã.

01/12/16

Grandes Físicos: KEPLER


KEPLER
(1571-1630)

Kepler é considerado o fundador da astronomia moderna.

Nascido em Wurtemberg (Alemanha) a vida de Kepler foi desventurosa, segundo os seus biógrafos. Não teve saúde, nem dinheiro, nem a proteção dos poderosos.
Quando concluiu os seus estudos foi-lhe dado um lugar de professor de Astronomia na Universidade de Graetz que ocupou durante sete anos.
As vicissitudes da sua vida levaram-no a deixar o lugar e foi então trabalhar com Tycho Brahe, reputado astrónomo dinamarquês, que o chamou a Praga.
Dotado de imaginação genial Kepler soube tirar dos dados das escrupulosas observações de Tycho a concepção de uma harmonia no movimento dos astros, formulando as leis das revoluções planetárias, as quais haviam de servir a Newton para estabelecer a lei da gravitação universal. Foi esta a sua grande descoberta.
Mas produziu ainda trabalhos de valor em diferentes ramos da Física e sobretudo da Óptica (refracção, fotometria, etc.).
Teve ainda um papel de relevo, que alguns historiadores consideram equivalente ao de Galileu, seu contemporâneo e amigo, na luta contra a os conceitos da física aristotélica.
al'>Em 1916 apresentou a «teoria da relatividade generalizada» que inclui uma nova teoria da gravitação.

Mais tarde, em 1928, surge a «teoria do campo unitário» a tentar abranger o campo gravitacional e o campo eléctrico.
Além de outras contribuições para a Física, também se lhe deve a «teoria dos fotões», muito importante para a interpretação dos fenómenos l

Grandes Físicos: EINSTEIN

EINSTEIN
(1879-1955)

Einstein foi o cientista mais famoso dos nossos dias.

Nasceu na Alemanha, de onde saiu com os pais aos 15 anos de idade.
Veio a concluir os seus estudos em Zurique (Suiça). Foi professoe em Berna, Zurique, Praga e Berlim.
Expulso da Alemanha como judeu, fixou-se nos Estados Unidos e ali morreu em 1955.
Tal como Newton, construiu uma nova síntese dos fenómenos dinâmicos (isto lhe valeu o nome de «Newton do século XX), o que não quer dizer que a física einsteiniana se oponha à clássica de Newton. Ela representa antes um maior grau de aproximação, um maior rigor, na interpretação dos fenómenos, e permite entrar nos domínios do microcosmo atómico.
As suas teorias apoiam-se em complicados e laboriosos cálculos matemáticos que poucos estão em condições de penetrar em toda a sua extensão. Mas os resultados fecundos advindos da aplicação das conclusões de Einstein têm imposto as suas leis de forma brilhante.
Celebrizou-se muito cedo com a «teoria da relatividade restrita» (1905), reformando os conceitos básicos de espaço, tempo e simultaneidade dos acontecimentos, aos quais não atribui um sentido absoluto como na dinâmica newtoniana.
Em 1916 apresentou a «teoria da relatividade generalizada» que inclui uma nova teoria da gravitação.
Mais tarde, em 1928, surge a «teoria do campo unitário» a tentar abranger o campo gravitacional e o campo eléctrico.
Além de outras contribuições para a Física, também se lhe deve a «teoria dos fotões», muito importante para a interpretação dos fenómenos l

Grandes Físicos: NEWTON


NEWTON
(1642-1727)
Foi o criador da Física matemática.

A revolução nas ciências físicas operada por Galileu atingiu a culminância com o génio de Newton, que nascia em Inglaterra no mesmo ano em que Galileu desaparecia.
Não tardou que o fio deixado por este fosse retomado com segura mão. O espírito da época era propício às grandes descobertas e os precursores das ideias novas eram numerosos e de valor.
Cedo se revelou a vocação de Newton para as matemáticas, de que foi mestre na Universidade de Cambridge. Descobriu ao mesmo tempo que Leibniz o cálculo infinitesimal, cujos métodos aplicou habilmente ao estudo dos fenómenos físicos e particularmente à Dinâmica.
É pela mão de Newton que a física entra no caminho das grandiosas sínteses e generalizações que relacionam mutuamente os fenómenos físicos, traduzindo-os por leis e princípios gerais.
A lei da gravitação universal é de todos elas a de mais largo alcance.
Foi também da mais alta importância a contribuição de Newton para o desenvolvimento da óptica (decomposição da luz branca, teoria das cores, telescópio, teoria da emissão, etc.).
Newton foi um astro de primeira grandeza na história da Física.

30/11/16

Grandes Físicos: SIMON STEVIN


STEVIN
(1548-1620)

Simon Stevin nasceu em Bruges, na Flandres, e morreu em Leiden em 1620.
Consideram alguns historiadores Stevin como o cientista mais original da segunda metade do século XVI e colocam-no muitos a par de Galileu, Newton e Kepler.
A hidrostática interessou-o especialmente em virtude do seu seu cargo de engenheiro-inspector dos diques na Holanda. Confirmou e alargou os princípios estabelecidos por Arquimedes.
Como Leonardo, rejeitou categoricamente o «movimento perpétuo».
Também estudou entre outros a alavanca, o plano inclinado e as roldanas.

Espírito muito original, dominou ainda outras ciências sendo também muito conhecido na história da matemática como o inventor das fracções decimais.

Grandes Físicos: LEONARDO DE VINCI

LEONARDO DE VINCI
(1452-1519)

Foi um dos vultos mais notáveis do Renascimento.

Nasceu em Vinci, perto de Florença, e veio a morrer na França ao serviço de Francisco I.
Na sua actividade científica, embora tomasse como ponto de partida os autores antigos, usava como métodos de trabalho a observação e a experimentação.
Leonardo negou categoricamente o «movimento perpétuo», ideia acalentada através de todos os tempos. Também se considera precursor da aviação por ter imaginado o helicóptero, partindo do estudo do voo das aves.
Apesar da grandeza do seu génio, tem de reconhecer-se que a influência de Leonardo de Vinci na evolução da ciência ficou muito aquém do valor dos seus trabalhos, por só muito mais tarde (dois séculos depois) ter sido publicada e difundida a sua obra.
Embora a projecção do seu nome tenha resultado em grande parte das suas descobertas sensacionais na astronomia e na defesa que veio a tomar das ideias de Copérnico a respeito do movimento da Terra em volta do Sol, contra aquilo que então se admitia, deve, contudo, notar-se que foram os seus estudos de mecânica os mais importantes, por serem os que maior influência tiveram na evolução da física.

Grandes Físicos: GALILEU


GALILEU
(1564-1642)

Considerado o criador da Física experimental.

Nasceu em Pisa, filho de um nobre ilustre mas arruinado.
Professor da Universidade de Pisa durante três anos, não encontrou ali ambiente para as suas ideias rebeldes contra a ciência escolástica. Transitou para a Universidade de Pádua onde levou a cabo as suas descobertas mais importantes.
Foi um inovador em tal grau que se apresentou aos olhos dos seus contemporâneos como um autêntico revolucionário. Por isso conheceu as vaias, as perseguições e a glória.
O alcance da sua obra é excepcional, não só pelas descobertas que fez na mecânica, na óptica, na astronomia, mas ainda e principalmente por ter aberto novos caminhos ao conhecimento e interpretação dos fenómenos físicos.
Embora a projecção do seu nome tenha resultado em grande parte das suas descobertas sensacionais na astronomia e na defesa que veio a tomar das ideias de Copérnico a respeito do movimento da Terra em volta do Sol, contra aquilo que então se admitia, deve, contudo, notar-se que foram os seus estudos de mecânica os mais importantes, por serem os que maior influência tiveram na evolução da física.

Grandes Físicos: ARQUIMEDES


ARQUIMEDES
(287-212 a.C.)

Arquimedes é apontado como cientista de tipo moderno. Nenhum antigo soube como ele associar a explicação e o raciocínio matemático aos dados da observação e da experimentação.

Arquimedes nasceu em Siracusa e ali morreu vítima dum soldado do general Marcelo, quando da conquista da cidade pelos romanos.
Geómetra de renome, inventor de grande número de máquinas, entre as quais se contam a associação de roldanas conhecida pelo nome de carretel, o parafuso sem fim e o parafuso de Arquimedes, tornou-se no entanto verdadeiramente célebre através do princípio da hidrostática que tem o seu nome.
A história do princípio de Arquimedes é muito sugestiva. Narra Vitrúvio que o rei Hierão de Siracusa, suspeitando que uma coroa de ouro tinha sido falsificada com prata pelos artistas que a tinham fabricado, propôs ao sábio matemático a resolução do problema sem abrir nem danificar a coroa. Ocupado o seu espírito clarividente com o problema e sempre desperto para os fenómenos que observava, deu conta um dia da impulsão que o seu corpo recebia no banho e surgiu-lhe então a explicação do problema da coroa de forma tão luminosa, que, ébrio de alegria por ter desvendado o mistério, saltou da banheira tão entregue à solução, tão fora de si, que nem sequer deu conta dos olhos jocosos que o poderiam observar! E correu para casa triunfante, gritando «eureka» (descobri). Procedeu imediatamente ao confronto dos volumes de água deslocados por massas de ouro e prata iguais às da coroa e verificou a falsificação.
A contribuição de Arquimedes para a hidrostática foi importantíssima. É também a ele que se deve a invenção dos areómetros.
Diz-se que os inventos de Arquimedes tiveram primacial importância na defesa de Siracusa contra os romanos e tanto assombro causaram a Marcelo que este ordenara aos seus soldados que poupassem o geómetra. Não o reconheceu, porém, aquele que o matou.